VOLUME 7 - Supl.1 2017

Apresentação
Editorial
Artigo Original

3 - Atualização das diretrizes de tratamento de tuberculose multirresistente da OMS e uso de novas drogas em crianças

Updated WHO MDR-TB treatment guidelines and the use of new drugs in children

Actualización de las directrices de tratamiento de MDR-TB de la OMS y uso de nuevas drogas en niños

Malgosia Grzemska

Resid Pediatr. 2017;7(Supl.1):7-10 DOI: 10.25060/residpediatr-2017.v7s1-03

Resumo PDF English PDF Português PDF Español
Poucos dados estão disponíveis sobre a ocorrência de tuberculose multirresistente (TB-MR) em crianças devido à dificuldade de confirmação bacteriológica da resistência aos medicamentos nesta faixa etária. No entanto, a Organização Mundial de Saúde (OMS) reconhece o crescente problema da TB-MR em crianças e, pela primeira vez, incluiu recomendações específicas para o tratamento da TB-MDR na atualização das diretrizes em 2016 para tratamento para tuberculose resistente a medicamentos. Os relatórios preliminares também estão se tornando disponíveis em relação ao uso de delamanídeos em crianças. Mais pesquisas são necessárias para fornecer evidências sobre o uso de novos medicamentos nessa faixa etária.

4 - Intensificação de casos de tuberculose na Suazilândia: quem pode ser encontrado em um domicílio com um alto nível de carga de TB/HIV?

Intensified TB case finding in Swaziland: whom do you find in the household in a high TB/HIV burden setting?

Intensificación de casos de tuberculosis en la Suazilandia: ¿quién se puede encontrar en un domicilio con un alto nivel de carga de TB/ VIH?

Lucia Gonzalez; Katherine Ngo; Pilar Alonso Ustero; Rachel Golin; Florence Anabwani; Bulisile Mzileni; Welile Sikhondze; Anna Maria Mandalakas

Resid Pediatr. 2017;7(Supl.1):11-16 DOI: 10.25060/residpediatr-2017.v7s1-04

Resumo PDF English PDF Português PDF Español
OBJETIVOS: Em comunidades, onde as estratégias de Busca Ativa de Casos (BAC) foram implantadas, aumentou-se a detecção de casos de TB e HIV, ainda que, o impacto direto dessas estratégias nas epidemias de TB e HIV permaneça desconhecido. Com o financiamento do projeto TB REACH, a Fundação para Crianças/Baylor College of Medicine Children’s Foundation-Swaziland (BCMCF-SD) implementou um programa BAC baseado na comunidade para estender intervenções de saúde a uma população representativa da Suazilândia. MÉTODOS: A fundação BCMCF-SD selecionou contatos domésticos de casos-índice (ICs) iniciando o tratamento de TB em 7 unidades de saúde. Os contatos de casos de TB positiva foram encaminhados para uma unidade de saúde para cultura de escarro. As visitas domiciliares foram conduzidas para alcançar contatos de casos de TB presuntiva que não visitaram centros de saúde. A população alcançada foi descrita através de BAC domiciliares entre maio de 2013 e dezembro de 2015, de acordo com a idade, sexo, status de HIV reportado e número de casos de TB adicionais. RESULTADOS: 3.342 ICs foram associados a 876 domicílios, totalizando 5.337 contatos. Desses contatos, 2.635 (49%) forneceram escarro para investigação de TB, com 88% (2.324/2.635) de amostras de escarro coletadas durante visita domiciliar. Nosso programa identificou 2% (45/2.635) casos adicionais de TB confirmados bacteriologicamente. A positividade para HIV correspondeu a 9% (464/5.336) dos contatos, enquanto 55% (2.946/5.336) foram relatados como tendo status de HIV desconhecido. Homens adultos e adolescentes foram mais propensos a reportar status de HIV desconhecido (p < 0,01). CONCLUSÃO: Embora eficazes na busca de casos adicionais de TB, as estratégias BAC baseadas em domicílios podem ser limitadas na identificação de casos confirmados bacteriologicamente entre crianças, adolescentes e idosos, nessa disposição. Nosso modelo de BAC oferece uma conduta ideal para reduzir o fardo da TB, estendendo os serviços às populações difíceis de serem alcançadas.

5 - Diagnóstico da tuberculose em crianças: qual o papel do hemograma e das provas de atividades inflamatórias?

Diagnosis of tuberculosis in children: the role of hemogram and inflammatory markers

Diagnóstico de la tuberculosis en niños: ¿cuál es el papel del hemograma y de las pruebas de actividades inflamatorias?

Tyane de Almeida Pinto; Andrea Maciel de Oliveira Rossoni; Cristina de Oliveira Rodrigues; Marssoni Deconto Rossoni; Tony Tannous Tahan

Resid Pediatr. 2017;7(Supl.1):17-19 DOI: 10.25060/residpediatr-2017.v7s1-05

Resumo PDF English PDF Português PDF Español
Sabe-se que a tuberculose infantil é uma questão de saúde pública mundial, porém negligenciada em relação ao seu diagnóstico e tratamento. Como a doença na infância é paucibacilar a confirmação laboratorial ocorre na minoria dos casos. Sendo assim, utilizam-se critérios clínicos, epidemiológicos, radiológicos e laboratoriais para confirmação diagnóstica. Esse estudo revisou a literatura buscando como o hemograma e as provas de atividades inflamatórias poderiam corroborar com esse diagnóstico. Existem poucos estudos na literatura sobre esse tema, sendo descrito que o achado mais comum, em relação ao hemograma é anemia de doença crônica (normocrômica e normocítica), com leucograma inespecífico e plaquetose. Talvez o que mais ajude, para suspeição desse diagnóstico, seja a ausência de leucocitose, comum num quadro agudo pulmonar febril. As provas de atividades inflamatórias são classicamente elevadas, porém alguns estudos questionam o valor do VHS como auxiliar no diagnóstico da tuberculose. Outros parâmetros laboratoriais requerem mais estudos para terem utilidade comprovada no rastreio e diagnóstico da doença na infância.

7 - Diagnóstico laboratorial da tuberculose na infância

Laboratorial diagnosis of Childhood tuberculosis

Diagnóstico laboratorial de la tuberculosis en niños

Maria de Fátima B. Pombo March; Rafaela Baroni Aurílio

Resid Pediatr. 2017;7(Supl.1):27-31 DOI: 10.25060/residpediatr-2017.v7s1-07

Resumo PDF English PDF Português PDF Español
Em 1993, a tuberculose (TB) passou a ser reconhecida, pela Organização Mundial da Saúde (OMS), como uma emergência global e, em 2014, a estimativa foi de 1 milhão de casos de tuberculose na faixa etária pediátrica, e nas Américas, cerca de 10.000 casos. O diagnóstico na faixa etária pediátrica no Brasil ainda se baseia no sistema de pontuação do Ministério da Saúde (sobretudo entre os menores de 10 anos), entretanto, novos métodos laboratoriais, bacteriológicos e imunológicos têm sido propostos na tentativa de contribuir para o diagnóstico da TB. O Xpert MTB- Rif system (TRM-TB) é um método rápido que busca comprovação bacteriológica. Baseado no PCR em tempo real é capaz de detectar fragmentos de M. tuberculosis (em secreções respiratórias, gânglios e líquor) e de identificar resistência à rifampicina (RMP). Na faixa etária pediátrica, a sua utilização como método diagnóstico rotineiro ainda é controverso, pela sua baixa sensibilidade. Os principais métodos imunológicos cujo objetivo é determinar se há ou não infecção pelo M. tuberculosis são: a prova tuberculínica e o Interferon Gamma Release Assay (ensaio de detecção de interferon gama) ou IGRA. O resultado negativo destes testes não exclui a TB doença nem seu resultado positivo a confirma. O presente artigo apresenta revisão sobre o papel dos testes Xpert, prova tuberculínica e IGRAs na infância.

8 - Utilização de biomarcadores na tuberculose pediátrica

Use of biomarkers in pediatric tuberculosis

Utilización de biomarcadores en tuberculosis pediátrica

Christiane Mello Schmidt; Adriano Queiroz; Claudete Aparecida Araújo Cardoso

Resid Pediatr. 2017;7(Supl.1):32-37 DOI: 10.25060/residpediatr-2017.v7s1-08

Resumo PDF English PDF Português PDF Español
No presente artigo são revisados o conceito de biomarcadores e biosignature e o seu potencial uso na tuberculose pediátrica, com aplicação no desenvolvimento de novas vacinas e de novos métodos laboratoriais que permitam o diagnóstico mais preciso e a avaliação da resposta ao tratamento. Enfatizam-se, também, os métodos que incluem a dosagem de anticorpos, citocinas, transcriptomas, proteomas e metabolomas.

9 - Melhoras no acesso à terapia preventiva contra a tuberculose e tratamento para crianças

Improving access to tuberculosis preventive therapy and treatment for children

Mejoras en el acceso a la terapia preventiva contra la tuberculosis y tratamiento para niños

Ben J. Marais; Carlos M. Perez-Velez

Resid Pediatr. 2017;7(Supl.1):38-43 DOI: 10.25060/residpediatr-2017.v7s1-09

Resumo PDF English PDF Português PDF Español
Nos países endêmicos da tuberculose (TB), as crianças sofrem uma enorme sobrecarga da doença, o que se tornou amplamente invisível quando os programas de controle de TB se concentraram exclusivamente em adultos com diagnóstico positivo para a doença (teste do escarro). A advocacia de alto nível e aprimoração de dados melhoraram a visibilidade, mas o estabelecimento de programas funcionais de tuberculose pediátrica continua sendo desafiador. As questões-chave que limitam o acesso das crianças à terapia preventiva de TB e a exposição à infecção por TB e ao tratamento de doenças em áreas endêmicas de TB são brevemente discutidas. Os obstáculos à terapia preventiva incluem: (a) inabilidade constatada de excluir a doença ativa; (B) receio de criar resistência aos medicamentos; (C) falta de implementação de diretrizes existentes na ausência de monitoramento adequado; e (d) adesão fraca com longos cursos de terapia preventiva. Os obstáculos ao tratamento da tuberculose incluem: (a) dificuldades de diagnóstico; (B) falta de disponibilidade de radiografia de tórax; (C) crianças jovens apresentando serviços de saúde materno-infantil (MCH) despreparados; e (d) a ausência de formulações favoráveis às crianças. Em relação à doença resistente a medicamentos, atualmente não há orientação sobre o uso de terapia preventiva e o tratamento geralmente é restrito a casos com doença bacteriologicamente confirmada, o que exclui a maioria das crianças pequenas a tratamento, mesmo que a sua origem seja provavelmente documentada por TB resistente a fármacos ou medicamentos.